Terça-feira, 11 de Maio de 2010

Conversa com Inês ///▲

Photobucket

“Que sonhos tens tu? Quais as tuas convicções? Não tens crenças se não em ti e não tens nada que desejes fazer para alem de sexo experimental, bebida, alucinações, vida boémia e arte?”

- Inês

Estou a ouvir: Dennis Ferrer - Hey Hey (Dim Chris Remix)
publicado por JoãoVieira às 01:11
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 8 de Maio de 2010

Artistas nunca morrem ///▲

Photobucket

Não importa como o mundo vai. Não importa as voltas que ele dá. As coisas mudam, evoluem, adaptam-se. Só a arte permanece invencível ao tempo e igual a si própria. O que é arte? Telas pintadas? Pedras esculpidas? Cinema? Musica? Nada disso é arte. Isso são criações do homem, modos de se expressar e de fazer outros sentirem e entenderem o mesmo que ele. Mas a arte é mais do que isso. A arte é o homem. Nós somos arte. O acordar de cada dia é o início de uma nova obra. O deitar, o fim desta. No dia seguinte uma nova obra é começada. E repete-se isto. Dia após dia, após dia, após dia...Somos óleo e tela. O acordar é uma tela em branco que ao longo do dia é preenchida com as nossas decisões, sentimentos, actos, palavras. Com o que vivemos numa vida preenchemos milhares de telas. A vida é arte, mas nem todos somos artistas. Não é por pintar telas que um homem pode ser chamado de artista, assim como não pode ser chamado de músico aquele que cria sons e respectivamente musicas. Esses não podem ser chamados de artistas só porque fazem algo dentro de algo. O verdadeiro artista é aquele que, com a sua arte, se sobressai. É aquele que marca os espectadores da sua obra. A vida é arte. O homem é artista. É artista quando, todos os dias, deixa a sua marca nas pessoas em forma de lembrança. É artista quando uma palavra sua é lembrada para sempre por alguém. É artista quando se imortaliza na mente das pessoas que fazem parte da sua vida. Não importa o jeito que temos para a pintura, para a música ou para o teatro. Todos somos artistas pois todos, em algum momento da nossa vida, dizemos ou fazemos algo que para alguém, naquele momento, se torna muito importante. Tão importante ao ponto de o lembrar até ao resto da sua vida. É aí que mostramos toda a arte dentro de nós. Para o bem e para o mal.

Estou a ouvir: Yolanda Be Cool + Dcup - We No Speak Americano
publicado por JoãoVieira às 18:28
link | comentar | ver comentários (4) | favorito
Quinta-feira, 25 de Março de 2010

Esta merda vai mudar ///▲


Photobucket

Dia 7 vou para a Noruega. Intercâmbio. Ando em aulas de norueguês para passar o tempo. É engraçado até. É melhor que ter aulas a sério. Mas já estou oficialmente de férias. Finalmente. Não tenho ideia do que estou a fazer á minha vida. E ainda bem. Estou bem assim. Ando arrumar com umas coisas que já devia ter arrumado á muito tempo. Ainda tenho na cabeça a madrugada de domingo.21. ela ainda se lembra também. Sei que sim. Sinto-me a voltar ao que sou. E o que tivemos deixou-me a pensar. Não sei para quem é que corro. Mas sinto que tenho de correr para alguém. Porque eu estou cada vez mais necessitado de ter uma pessoa do meu lado. Quem eu quero, por me conhecer tão bem, não me quer. E quem me quer, não consigo querer. Porque nem o coração nem a cabeça me deixam avançar. Estou a acordar. Sinto-me a mudar esta merda toda. A partir de hoje.

Estou a ouvir: Supermode - Tell Me Why
publicado por JoãoVieira às 23:57
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 19 de Março de 2010

Felicidade ///▲

Photobucket

De facto todos somos bons em alguma coisa. Por vezes não chega nem o tempo de uma vida para descobrirmos onde o somos. Mas a verdade é que existe um lugar onde nos encaixamos. Onde somos perfeitos. Só o temos de procurar. E de continuar á procura.

 

Estou a ouvir: You me At Six - If You Run(Acoustic)
publicado por JoãoVieira às 00:01
link | comentar | ver comentários (3) | favorito
Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2010

Dinheiro não compra amor. Dinheiro compra mais do que isso///▲

Photobucket

É, talvez, a maior treta alguma vez contada. As pessoas criaram a ilusão de que dinheiro não traz felicidade, mas isso não é verdade. Isso não passa de paleio de pobre. Uma desculpa para justificar a falta de nota no bolso. Justificam a falta de riqueza ao dizerem que apesar da ausência do que é importante, se é na mesma feliz. Não é verdade. É feliz talvez quando o mês acaba e o desgraçado recebe pelo esforço do mês inteiro. Mas ainda o mês vai a meio e o homem já passa dificuldades.

 Pobre é pobre, mas diz que tem amor. Mas se ele fosse rico nada o impediria de ser igualmente amado. Ou talvez fosse mais amado ainda. Quem é que se importa com bolsos rotos? A verdade é esta. Dêem fortunas a um sem abrigo sem filhos nem família. Ele vai comprar casas, comida, jóias, sexo, carros…com isso tudo ele não pensaria em amor. Isso nem sequer lhe iria fazer uma mínima falta na sua luxuosa vida.

 Ele terá tudo. E mesmo sozinho ele conseguirá ser feliz. E porque? Tudo que o dinheiro compra não desilude. Os luxos não nos conseguem desiludir. E melhor. Irão durar para sempre. Como eternos diamantes. O amor não. Tão fantástico que é acaba por desaparecer aos poucos. Auto-degradável. E à medida que se destrói a si próprio, destrói também a nós. Dá-nos uma falsa ideia de felicidade. A consciência disso só vem depois. No fim de tudo e no começo da desgraça da alma.

 

Estou a ouvir: Sugarman 3 - Take It As It Come
publicado por JoãoVieira às 22:11
link | comentar | ver comentários (1) | favorito
Terça-feira, 16 de Fevereiro de 2010

História do costume ///▲

Photobucket

Ele conhece ela. Ela apaixona-se por ele. Ele caga para ela. Ela afasta-se de ele. Ele começa a dar-lhe valor. É sempre esta merda. Vezes e vezes sem conta. Só valorizamos as pessoas quando já não as temos. O amor só acontece á última da hora.

 Julgamos sempre que as prendemos a nós e depois vem a realidade abrir-nos os olhos. A realidade é fodida, e o amor também. E agora encontro-me mais uma vez nisto.

 Sinto a tua falta. Tu sabes. Estou outra vez sozinho. Já te disse. Mas desta vez estou porque quero. Porque decidi afastar de mim todos os que me fodiam e riam-se por trás. Mandei foder quem só se lembrava de mim quando precisava de alguma coisa da minha parte. Mandei foder também quem só estava comigo enquanto alguém melhor não aparecia. Mandei foder toda a gente que nada de bom me trazia. E agora estou sozinho. Sozinho e vazio. Não estou nem bem nem mal. Simplesmente não estou. Nem aqui nem em lado nenhum.

 Quando decidiste partir eu acreditei que voltasses ao fim de alguma reflexão da tua parte. Disseste que não o farias. Mas tens voltado aos poucos. Tenho sentido a tua presença de novo. E estou a esforçar-me para não voltar a estragar tudo outra vez. Mas é tão difícil entender-te. Torna-se ainda mais complicado quando a minha personalidade nada tem de comum com a tua. Somos o perfeito oposto um do outro. Noutro mundo não somos compatíveis. Mas no meu…eu acredito que vou conseguir.

 

Estou a ouvir: Black Kids - Im Not Gonna Teach Your Boyfriend How To Dance
publicado por JoãoVieira às 19:37
link | comentar | ver comentários (6) | favorito
Quinta-feira, 31 de Dezembro de 2009

FF – Fuck Filosofia

Photobucket

 

Finalmente acabei (quase) a mudança do blog. Está uma merda. Parece uma revista gay. E mete-me nojo pensar que gastei horas para fazer isto. A parte disso tudo, está  tudo espectacular. 2010 aproxima-se e começo a traçar já os meus planos para o próximo ano na minha cabeça. A escola não entra nos meus planos. É uma merda em que sei que não vale a pena perder tempo a pensar. Por muito que deseje o sucesso escolar ele nunca vai acontecer. Pelo menos comigo. Porque para eu conseguir gostar das coisas antes de mais eu tenho de as compreender. E há varias coisas ligadas ao ensino que eu não entendo. Uma delas (e certamente a que mais gente também se interroga) é:
 -Porque que temos filosofia? Essa merda serve-nos para que? E no futuro que base a filosofia nos dá para o futuro?
 Filosofia só tem uma utilidade. Foder-nos (ainda mais) a cabeça mas com a desculpa de mudar a nossa maneira de pensar e ver as coisas. Com a filosofia aprendemos a duvidar das coisas. Eu duvido que a filosofia sirva para alguma coisa. A filosofia não salva vidas, aliás dá cabo delas. A filosofia não mata a fome dos pretos de África. A filosofia não vai mudar a nossa economia e tirar-nos da crise.
 Sócrates e Platão. Dois grandes homens do ramo da filosofia. Eu que apanhasse agora esses dois filhos da puta. De certeza que não ia ser a filosofia que os ia defender. Fodias-lhe a cara e depois queria ver que filosofia eles iam pregar sem dentes. Eu respeito os idosos sim, mas há limites…e foder-me em todos testes e em todas as aulas ultrapassa esses limites. Quem diz Sócrates e Platão também diz Kant, Locke, Descartes e todo o restante grupinho Gay.

 Estou farto de investir o meu tempo em coisas que não me servem nem para entretenimento. Filosofia é só o início de uma longa lista de coisas em que a educação falha e muito na minha opinião. Nem sequer temos exame a essa disciplina. Somos obrigados a decorar páginas inteiras de matéria inútil. Decorar sim, porque compreender já é um pouco mais difícil. São coisas muito diferentes, decorar e compreender. Eu não apoio a ignorância, é obvio…mas não me parece que a filosofia nos tempos que correm, cada vez mais depressa, nos venha ajudar a ser mais ou menos cultos.

  Apoiem esta causa. Fuck Filosofia.

 


Hoje estou: mais filosofico que nunca
Estou a ouvir: Jeffree Star - Get Away With Murder
publicado por JoãoVieira às 02:36
link | comentar | ver comentários (4) | favorito

▲Mais//Textos//

Conversa com Inês ///▲

Artistas nunca morrem ///...

Esta merda vai mudar ///▲

Felicidade ///▲

Dinheiro não compra amor....

História do costume ///▲

FF – Fuck Filosofia

▲Mais//Comentados//

▲arquivos//

Agosto 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

▲_

zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz
zzzzzzzzzzzzzzz